A consciência e a mudança

yellow-926728_960_720

A consciência é algo que desperta, que surge e que podemos ter acerca de variadas circunstâncias e situações, acerca do mundo, acerca de nós e acerca dos outros. A consciência diz: “eu já sei isto”, mas por vezes a mudança continua latente. Então a consciência responde: “mas se eu já sei isto, porque não consigo mudar?!”

Ter consciência é uma coisa, outra coisa é a mudança. São dois processos distintos. Patamares diferentes de percepção. A consciência pode existir, e, para isso, tem de existir, necessariamente, espírito crítico, ou insight. Para a mudança precisam de haver cinco coisas: vontade, determinação, persistência, presença e ferramentas (ou recursos).

Vontade de mudar. Determinação para identificar o problema, procurar ajuda e iniciar a mudança. Persistência no tempo e na implementação da mudança, diariamente, a nível mental e comportamental. Ferramentas que se podem aprender, como gestão emocional, gestão do tempo, aquisição ou modificação de um hábito, etc.

A mudança não se dá apenas pela consciência de um determinado problema. Ajuda a compreendê-lo, pelo menos. Ajuda a estar presente quando ele acontece. A mudança existe, precisamente, quando – conscientes de um comportamento (presença) – implementamos uma alteração comportamental, mudança de perspectiva ou leitura da situação que estamos a vivenciar.

A presença é a palavra da ordem. Podemos ter muita vontade de mudar. Podemos até ter imensas ferramentas ou recursos para a mudança à nossa disposição, coisas que até já aprendemos a fazer, como e quando fazer, mas se não estivermos atentos, presentes em cada momento, reagimos às situações e voltamos a fazer o que sempre fizemos, da mesma forma.

Presença é sermos observadores daquilo que nos limita, inibe ou prejudica. Presença é não evitar, não fugir. Presença é ficar, e fazer o que é melhor, o que nos leva mais além, o que produz, de facto, a mudança. Estar presente é decidir. Decidir fazer, decidir mudar. Só estando presentes em nós e nas situações é que podemos tomar decisões. Vou por aqui ou por ali, faço isto ou aquilo. E é isto.

Published by Paula Chocalhinho

Uso a Psicologia, a Hipnose e as Constelações Familiares para facilitar processos de mudança baseados na autoanálise e no autoconhecimento, indo às causas das perturbações e sintomas (aumento da consciência), promovendo o ensino de estratégias de regulação emocional (ansiedade e pânico) e trabalho com a criança interior para acolhimento das feridas e superação dos traumas. Para marcações, preencher o formulário em Contactar. Podcast Psicologia de Bolso no Spotify.

Leave a Reply

%d bloggers like this: