Adulto ao poder

A nossa criança interior por vezes comanda a nossa vida sem nos apercebermos. Comanda os nossos relacionamentos, o nosso peso e até o nosso trabalho, se for preciso. O que quero dizer com isto? Que temos uma programação inconsciente que limita o nosso funcionamento em algumas áreas da nossa vida, programação herdada da nossa família e adquirida através da nossa experiência com os nossos progenitores e pessoas mais próximas, bem como a experiência em contexto escolar: castigos, punições, humilhações, bullying, etc.

A nossa criança pode ter sentido a necessidade de proteção e, como tal, começou a comer compulsivamente, não só para se compensar como para, inconscientemente, ganhar peso, estrutura e força aparente através de um peso elevado, para se sentir mais segura e para ninguém lhe fazer mal, ou mesmo para ser vista por um dos progenitores. Ser vista no sentido de ser reconhecida, quando um ou ambos os pais podem ter sido negligentes nalgum aspeto, mesmo fazendo o melhor que sabiam.

A nossa criança pode evitar ou, pelo contrário, procurar freneticamente o compromisso com outro significativo para não se sentir sozinha. No caso de evitar, medo de ser desapontada, por exemplo. No caso do trabalho, pode ter receio de ter um cargo de destaque ou liderança por achar que não é suficiente, que não é capaz, ou que ninguém a vai aprovar ou dar ouvidos, se essa tiver sido a sua experiência ao crescer.

Como vêm, temos tantos padrões limitantes, que derivam das nossas crenças nucleares e perceções distorcidas da realidade, que passamos a acreditar naquilo que não é verdade, ou que já não é verdade atualmente. A chave secreta é fazermos a reparentificação da nossa criança interior, nas suas faltas, feridas e carências, e sermos bons pais e boas mães de nós mesmos, assumindo o nosso adulto. Como fazemos isso? Acarinhando as nossas dores, sermos a voz motivadora e incentivadora. E com um pouco de terapia para podermos fazer este processo, porque sozinhos não é tão fácil assim.

Published by Paula Chocalhinho

Uso a Psicologia, a Hipnose e as Constelações Familiares para facilitar processos de mudança baseados na autoanálise e no autoconhecimento, indo às causas das perturbações e sintomas (aumento da consciência), promovendo o ensino de estratégias de regulação emocional (ansiedade e pânico) e trabalho com a criança interior para acolhimento das feridas e superação dos traumas. Para marcações, preencher o formulário em Contactar. Podcast Psicologia de Bolso no Spotify.

Leave a Reply

%d bloggers like this: