Estágios de evolução

A meu ver, existem 4 grandes estágios em termos de evolução pessoal, mental emocional ou espiritual pelos quais podemos passar:

0. Inconsciente

Aqui a pessoa ainda não “despertou”, como se costuma dizer. Ainda não despertou para a necessidade de mudança. O que quer dizer que está inconsciente da necessidade de mudança, quer de precisar de mudar, quer de querer mudar. Neste estágio, a pessoa pode estar em resistência à mudança por medo ou desconhecimento, de não saber como ou achar assustador mudar. Pode também estar em negação da necessidade de mudança, achando que está bem e que não precisa mudar. De qualquer das formas, o que está por detrás de todos esses mecanismos é o medo do desconhecido ou baixa consciência.

Nestes casos, apontar à pessoa que ela precisa de mudar e como o poderia fazer não resulta. Precisamos sim de servir como exemplo e falar do nosso processo, sem tentar convencer o outro. Pode ser que assim o outro se inspire em nós e sinta maior confiança em dar esse passo, sem ter de ser convencido só porque os outros à sua volta, nas suas melhores intenções, insistam nisso.

1. Conhecimento (estágio do FAZER)

Neste estágio já há a consciência do problema ou da necessidade de mudar. A pessoa começa a procurar respostas e começa a querer saber mais. Normalmente é uma altura de pesquisa, de procura de testar métodos, sejam cursos, workshops ou terapias. É também uma fase de leitura ou assistir a vídeos, documentários ou palestras sobre assuntos relevantes para a mudança que se procura, quer seja física, mental, emocional ou espiritual (querer perder peso, iniciar uma atividade física, querer mudar hábitos ou crenças, querer desenvolver habilidades espirituais, mudar de trabalho, etc.).

É um estágio que, por norma, dura vários anos, ou mesmo a vida toda. Pode ficar-se por aqui ou passar-se ao estágio seguinte, seguindo a lógica de uma pirâmide invertida, em que no topo poderá estar uma grande da população (inconsciente), abaixo está quem está no estágio de fazer, e por aí afora. É também a fase em que seguimos várias pessoas e vemo-las como exemplo.

Nesta fase estamos virados para fora e somos SEGUIDORES de outros, estamos viciados no FAZER (fazer mais cursos, mais terapias, obter mais informação, etc.) e podemos implementar várias coisas aqui em termos práticos ou ficar só na contemplação da mudança (desejando a mudança mas ficando só a fantasiar com ela).

2. Silêncio (estágio do ESTAR)

Depois de termos apreendido uma série de conceito e teorias, de os termos testado e testado vários mecanismos de mudança, ou várias terapias ou métodos, já conseguimos aplicar a mudança na nossa vida por nós próprios, sem necessidade constante de seguir ou imitar outros. Já se torna natural o que fazemos, como uma segunda pele. Aplicamos a nossa fórmula na nossa vida e no nosso trabalho ou negócio. De certa forma, temos o nosso próprio método e ele funciona.

Quando falo em silêncio tem a ver com o virarmo-nos para dentro, encontrando as nossas próprias respostas dentro de nós. Fazemos tempo para nos ouvirmos, para meditar, para seguir a nossa intuição, para refletir e para sentir a resposta do que precisa ser feito ou percebido. Desse lugar temos a AÇÃO INSPIRADA, que é fazer o que sentimos como correto e aplicá-lo na prática, fazendo o que precisa ser feito.

Nesta fase podemos desligar-nos do exterior, não tendo tanta necessidade de estar com outros ou estar envolvidos em várias atividades. Temos maior necessidade de recolhimento e silenciar o mundo lá fora e as suas distrações.

Independentemente das vezes que socializa ou que faz atividades no exterior, aqui encontra-se no estádio da AUTOMESTRIA. Nesta fase, quer ESTAR consigo, para si e para o seu trabalho/negócio. Aprendeu as lições e está a incorporá-las na sua vida, autonomamente.

3. Vazio (estágio do SER)

Aprender a estar nos nossos vazios é uma das maiores aprendizagens que podemos fazer. No vazio somos, sem crítica ou necessidade de mudança. É um estado de autoacolhimento, autoaceitação e autocompaixão. Fazê-lo, ou sê-lo, de forma constante e ininterrupta não é tarefa fácil, e temos de nos relembrar das lições constantemente. Nenhum destes estágios são estanques, no sentido em que dominamos um e seguimos para o próximo, ficando lá definitivamente, sem voltar para trás ou sem ter um dos pés em um dos estágios anteriores.

Passamos por vários ciclos de inconsciência, fazer, estar e ser ao longo das nossas vidas, nas várias fazes, desafios e temas centrais da nossa vida, seja a nível pessoal ou profissional. Mas quando incorporamos todas estas aprendizagens e princípios, conseguimos cada vez mais estar conscientes e fazer toda a jornada e processo de incorporar o fazer, estar e ser, cada vez mais rapidamente e facilmente.

Então, cada vez que nos desorganizamos e temos informação nova para integrar, seja por aceder a questões mais profundas da sua existência, e querer atingir novos patamares em qualquer aspeto da sua vida, passamos por uma nova jornada ou processo de fazer-estar-ser. Contudo, quando já consegue estar em silêncio e no vazio, quando consegue sentar-se consigo, com os seus pensamentos e emoções, tudo isto se faz muito mais rapidamente.

O vazio é também o estádio que antecede uma nova vaga de fazer-estar-ser, quase como um processo circular dentro de quem se dispõe a passar por todas essas fases. A questão é que quando conseguimos incorporar as lições, as aprendizagens e os vários estágios, estamos CONSCIENTES e DESPERTOS. Tornamo-nos PRESENÇA.

Ser a verdade em movimento é o que se trata. Perceber a sua verdade, a verdade por detrás dos seus comportamentos, dos seus pensamentos e carências. Perceber a verdade por detrás das suas reações e escolhas. Estamos presentes em nós e nos nossos processos internos.

Published by Paula Chocalhinho

Uso a Psicologia, a Hipnose e as Constelações Familiares para facilitar processos de mudança baseados na autoanálise e no autoconhecimento, indo às causas das perturbações e sintomas (aumento da consciência), promovendo o ensino de estratégias de regulação emocional (ansiedade e pânico) e trabalho com a criança interior para acolhimento das feridas e superação dos traumas. Para marcações, preencher o formulário em Contactar. Podcast Psicologia de Bolso no Spotify.

Leave a Reply

%d bloggers like this: